PIRACICABA, TERÇA-FEIRA, 19 DE FEVEREIRO DE 2019 Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

22 DE JUNHO DE 2017

Mulheres cobram implementação de políticas de proteção


Representantes de coletivos feministas pediram investimentos para fazer valer as orientações da Lei Maria da Penha



EM PIRACICABA (SP)  

Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 Salvar imagem em alta resolução


Durante a audiência pública de análise do PPA 2018-2021, na noite desta quarta-feira (21), no plenário Francisco Antonio Coelho, da Câmara de Vereadores de Piracicaba, também foi cobrada da Prefeitura de Piracicaba a implementação de políticas de proteção à vida das mulheres, fazendo valer, com mais efetividade, a Lei Maria da Penha, promulgada há 11 anos no País.

“Até hoje o Município não implementou políticas para colocar esta lei em prática”, disse Rebeca Henrique, do coletivo Maria de Lutas. “É preciso aprimorar ações e ponderar os pontos propostos durante a consulta popular”, disse Rebeca. Ela lembrou que, de acordo com o texto do Executivo Municipal, a política de defesa à vida da mulher está restrita apenas na Patrulha Maria da Penha. 

Ela pediu melhorias no Cram (Centro de Referencia à Mulher) e a criação de um local de acolhimento para mulheres vítimas de violência. “Que não seja o mesmo lugar dos moradores de rua”, disse. 

A vereadora Nancy Thame (PSDB) também compactuou com a necessidade da chamada “casa de passagem”, com o intuito de proteger as mulheres vítimas de violência. “Neste ano, tivemos a Semana da Mulher, com intensa discussão, e foi apresentada a necessidade de deste serviço”, disse. Ela lembrou que também dos diversos documentos protocolados em defesa da saúde da mulher, “como reduzir mortalidade de câncer e saúde obstetra”, disse. 

Nancy pediu que a Semtre (Secretaria Municipal de Trabalho e Renda) faça “recortes de gêneros” nos serviços de empregabilidade. 

O secretário municipal de Finanças, José Admir de Moraes Leite, disse que a Patrulha da Maria da Penha tem se mostrado “bastante eficiente” e que o serviço é um “pontapé na implementação da política de proteção”. Quanto aos outros projetos, o representante da Prefeitura de Piracicaba acredita que é preciso haver maior articulação com a Secretaria Municipal de Governo, “que capitaneia as decisões junto com as equipes técnicas das outras pastas”, informou.



Texto:  Erich Vallim Vicente - MTB 40.337


Tópicos: Legislativo

Notícias relacionadas