PIRACICABA, SEXTA-FEIRA, 22 DE NOVEMBRO DE 2019
Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

27 DE JUNHO DE 2019

Samu Piracicaba comemora 15 anos salvando vidas


Vereador Dr. Ronaldo Moschini, que é médico do Samu, destaca atuação do serviço



EM PIRACICABA (SP)  

Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (1 de 2) Salvar imagem em alta resolução

Samu completa 15 anos neste sábado (29).

Samu completa 15 anos neste sábado (29).
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (2 de 2) Salvar imagem em alta resolução

Samu completa 15 anos neste sábado (29).

Samu completa 15 anos neste sábado (29).
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 Salvar imagem em alta resolução

Samu completa 15 anos neste sábado (29).



No dia 29 de junho, o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) está completando 15 anos em Piracicaba. Em comemoração, a Câmara de Vereadores de Piracicaba, por iniciativa do vereador Ronaldo Moschini (CID), realizou uma solenidade no dia 7 de junho para homenagear e comtemplar todos os profissionais envolvidos.

O vereador Ronaldo Moschini, também médico, teve a inciativa como uma forma de apresentar a importância que o Samu tem no município e de agradecer toda a equipe pela competência e dedicação árdua, envolvendo os técnicos de enfermagem, enfermeiros, médicos, socorristas, motoristas socorristas, rádios operadores, os tarms (técnicos auxiliares de regulação médica) e todos aqueles que trabalham no atendimento de urgência.

“Sentimos uma gratidão muito grande de poder estar naquele atendimento, diminuir o risco do paciente com as ações da equipe para que chegue ao hospital na melhor condição possível”, diz o parlamentar.

Segundo ele, o Samu enfrenta acidentes de todas as complexidades, desde os mais razoáveis aos mais graves e, que, a equipe também passa por situações difíceis, por exemplo, em dias muitos quentes ou dias chuvosos – já que as vítimas com gravidade têm a necessidade de deitá-las no asfalto para realizar a intubação ou drenagem torácica.

“Você precisa estabilizar o paciente para poder leva-lo até o hospital, fazer a respiração artificial para que possa estar sobrevivendo. Depois a parte circulatória, se a vítima tem o batimento cardíaco para manter a circulação do paciente, para analisar se está em parada cardíaca ou se está perdendo sangue”, explica. O médico afirma que esses são segmentos importantes para que o paciente tenha uma segurança maior no transporte do local do acidente até o hospital.

Isso requer todo o conhecimento médico e a integração da equipe. Não só da equipe do Samu, mas também da equipe do corpo de bombeiros que são responsáveis em cortar ferragens, caso a vítima esteja presa.

“Toda a equipe se ajuda. Enquanto estou estabelecendo vias aéreas, o motorista socorrista está fazendo a imobilização, a enfermeira está pegando uma veia de dois calibres, me auxiliando e fornecendo todo o material para que eu possa conceder a intubação ou a drenagem torácica”, ele comenta sobre o processo de atendimento.

Em casos mais graves, principalmente os acidentes que envolvem traumas, 80% das vítimas morrem na primeira hora. “Quando você chega em um acidente, muitas vezes, ainda vê o paciente vivo. Nessa situação, o atendimento passa a se tornar preciso e prioritário”, diz.

Por outro lado, ele afirma ser muito gratificante encontrar pacientes saindo do hospital ou encontrá-los na rua. “Eu penso o quanto a vida desse paciente dependeu de mim e dos meus cuidados. É prazeroso. Me traz muita gratificação trabalhar no Samu”, afirma.

Moschini também diz que os momentos de tristeza são inevitáveis. Ele conta que já chorou com mais seis médicos na sala de emergência de um hospital no atendimento de uma criança de quatro anos, no qual após uma sequência de paradas cardíacas chegou a óbito.

“Foi uma dor muito grande para todos frente ao ocorrido e a impotência de você não ter mais nada para fazer. Nós também nos sentimos impotente”, pondera. “Trabalhar no Samu é fazer a diferença e saber chorar em um momento difícil que nos é colocado, não por falhas, mas pela própria impotência de retorno a vida. Não só colecionamos sucessos, mas também temos perdas.”, finaliza.

O médico possui uma ligação espiritual que acredita ser importante nesses momentos, durante todo o atendimento ele sempre pede por proteção. “Deus sempre está conosco, sempre nos ampara”, relata.

Negligência e imprudências também não ficam de fora, essas situações são mais comuns do que possamos imaginar, principalmente pessoas alcoolizadas. Ronaldo Moschini trabalha às terças-feiras alteradas, as quartas e sextas-feiras na terceira e quarta semana do mês. Segundo ele, sexta é o dia que acontece o maior número de acidentes. 

Além disso, o vereador destaca a atuação do diretor do Samu de Piracicaba, Orival Macruz, também médico plantonista. “Acho que os melhores diretores são aqueles que trabalham também no atendimento. Ele é presente e sabe todas as dificuldades. Eu sempre falo que ele veste o Samu pelo seu brilhantismo”, enaltece. Ele também agradeceu a médica Flávia de Sá Molina, coordenadora das unidades de emergências e das UPAs (Unidade de Pronto Atendimento).

“Eu agradeço cada colaborador e cada funcionário do Samu. Desde a higienizadora até o nosso diretor e a coordenadora pela sensibilidade, dedicação, competência, amor e carinho que eles têm a todos os pacientes atendidos e aqueles que virão a ser atendidos”, diz.



Texto:  Fernanda Rizzi
Supervisão de Texto e Fotografia: Valéria Rodrigues - MTB 23.343


Tópicos: SaúdeRonaldo Moschini

Notícias relacionadas