PIRACICABA, QUARTA-FEIRA, 19 DE SETEMBRO DE 2018 Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

17 DE NOVEMBRO DE 2017

Plano visa contenção de gastos em cima de nós, critica professora


Representante dos educadores da rede municipal ocupou a Tribuna Popular para rebater proposta do Executivo Municipal



EM PIRACICABA (SP)  

Salvar imagem em alta resolução

Vanessa Puppo ocupou a Tribuna Popular na noite desta quinta-feira (16)




A professora Vanessa de Oliveira Pupo, representante dos educadores da rede municipal de ensino, criticou o Plano de Carreira apresentado pelo Executivo Municipal no projeto de lei complementar 17/2017. “A proposta visa economia e contenção de gastos em cima de nós”, disse, ao ocupar a Tribuna Popular na reunião ordinária de quinta-feira (16). 

Vanessa disse que os educadores tiveram poucas oportunidades de apresentar sugestões ao Plano e, quando o fizeram, as propostas não foram absorvidas ao PLC 17/2017. “Nem sequer o termo LDB nas disposições gerais foi incluído, como aponta o documento encaminhado à Secretaria de Educação e respondido pela empresa IBRAP”, disse. 

Os professores pediram, em 2015, a realização de uma audiência pública para debater a elaboração do Plano de Carreira, “mas não aconteceu no momento necessário”, aponta Vanessa. Ela informou, ainda, que a categoria só teve acesso ao conteúdo das mudanças propostas pela Prefeitura no último dia 24 de outubro. 

A educadora fez fortes críticas quanto à condução da elaboração do PLC 17/2017. “Os encontros (com representantes da Prefeitura) são para exposição e não para participação, já que nada do que é sugerido, é acatado, e ficamos com um sentimento de tristeza porque nos dedicamos muito para poder contribuir neste processo”, disse. 

Ela elencou alguns dos direitos da categoria que estão suprimidos na proposta do Executivo, como o adicional de diploma, o 14 salário e o valor irrisório da chamada “tabela de evolução”, onde um profissional que trabalhar 30 anos na rede municipal ganhará, no máximo, R$ 22,87 por hora/aula. No Plano, não há menção de licença para estudo. 

“É um projeto que em nada valoriza os professores e que nos mostra que o objetivo não é a formação dos professores e a valorização dos mesmos”, relatou a professora. A proposta da categoria é desenvolver um ciclo de debates na Câmara, com os mais variados temas que se relacionam com o Plano de Carreira. 

Vanessa salientou a atuação da Câmara de Vereadores de Piracicaba na abertura do diálogo para a elaboração de um Plano que seja eficaz não somente à categoria, mas, sobretudo, às crianças. 

“Queremos uma educação de qualidade, mesmo, sem ser jargão utilizado em campanhas eleitorais, ou mesmo para divulgar rankings educacionais baseados em inscrições de matriculas, como é caso do município”, relatou a professora.



Texto:  Erich Vallim Vicente - MTB 40.337
Supervisão de Texto e Fotografia: Valéria Rodrigues - MTB 23.343
Imagens de TV:  TV Câmara


Tópicos: Tribuna Popular

Notícias relacionadas