PIRACICABA, DOMINGO, 17 DE NOVEMBRO DE 2019
Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

15 DE MAIO DE 2019

Mesa debate inclusão de crianças com alergia alimentar nas escolas


Atividade marcou abertura da 2ª Semana de Conscientização da Alergia Alimentar



EM PIRACICABA (SP)  

Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (1 de 10) Salvar imagem em alta resolução

Vereadora Nancy Thame é autora do decreto legislativo 17/2018, que instituiu na Câmara ações para discutir a alergia alimentar

Vereadora Nancy Thame é autora do decreto legislativo 17/2018, que instituiu na Câmara ações para discutir a alergia alimentar
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (2 de 10) Salvar imagem em alta resolução

Vereadora Nancy Thame é autora do decreto legislativo 17/2018, que instituiu na Câmara ações para discutir a alergia alimentar

Vereadora Nancy Thame é autora do decreto legislativo 17/2018, que instituiu na Câmara ações para discutir a alergia alimentar
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (3 de 10) Salvar imagem em alta resolução

Vereadora Nancy Thame é autora do decreto legislativo 17/2018, que instituiu na Câmara ações para discutir a alergia alimentar

Vereadora Nancy Thame é autora do decreto legislativo 17/2018, que instituiu na Câmara ações para discutir a alergia alimentar
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (4 de 10) Salvar imagem em alta resolução

Vereadora Nancy Thame é autora do decreto legislativo 17/2018, que instituiu na Câmara ações para discutir a alergia alimentar

Vereadora Nancy Thame é autora do decreto legislativo 17/2018, que instituiu na Câmara ações para discutir a alergia alimentar
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (5 de 10) Salvar imagem em alta resolução

Vereadora Nancy Thame é autora do decreto legislativo 17/2018, que instituiu na Câmara ações para discutir a alergia alimentar

Vereadora Nancy Thame é autora do decreto legislativo 17/2018, que instituiu na Câmara ações para discutir a alergia alimentar
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (6 de 10) Salvar imagem em alta resolução

Vereadora Nancy Thame é autora do decreto legislativo 17/2018, que instituiu na Câmara ações para discutir a alergia alimentar

Vereadora Nancy Thame é autora do decreto legislativo 17/2018, que instituiu na Câmara ações para discutir a alergia alimentar
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (7 de 10) Salvar imagem em alta resolução

Vereadora Nancy Thame é autora do decreto legislativo 17/2018, que instituiu na Câmara ações para discutir a alergia alimentar

Vereadora Nancy Thame é autora do decreto legislativo 17/2018, que instituiu na Câmara ações para discutir a alergia alimentar
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (8 de 10) Salvar imagem em alta resolução

Vereadora Nancy Thame é autora do decreto legislativo 17/2018, que instituiu na Câmara ações para discutir a alergia alimentar

Vereadora Nancy Thame é autora do decreto legislativo 17/2018, que instituiu na Câmara ações para discutir a alergia alimentar
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (9 de 10) Salvar imagem em alta resolução

Vereadora Nancy Thame é autora do decreto legislativo 17/2018, que instituiu na Câmara ações para discutir a alergia alimentar

Vereadora Nancy Thame é autora do decreto legislativo 17/2018, que instituiu na Câmara ações para discutir a alergia alimentar
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (10 de 10) Salvar imagem em alta resolução

Vereadora Nancy Thame é autora do decreto legislativo 17/2018, que instituiu na Câmara ações para discutir a alergia alimentar

Vereadora Nancy Thame é autora do decreto legislativo 17/2018, que instituiu na Câmara ações para discutir a alergia alimentar
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 Salvar imagem em alta resolução

Vereadora Nancy Thame é autora do decreto legislativo 17/2018, que instituiu na Câmara ações para discutir a alergia alimentar



A inclusão de crianças com problemas de alergia alimentar no ambiente escolar esteve em debate na mesa-redonda promovida na Câmara na noite desta terça-feira (14), no Salão Nobre Helly de Campos Melges. A atividade abriu a programação da 2ª Semana de Conscientização da Alergia Alimentar, coordenada pela vereadora Nancy Thame (PSDB), e que segue com ações até a quinta-feira (16), no Sesc Piracicaba e na Etec Fernando Febeliano da Costa.

A rede municipal de ensino é composta por 72 mil alunos, segundo Daysy Diniz, coordenadora da alimentação escolar em Piracicaba. “O desafio é saber onde estão as crianças e o nome de cada uma delas”, esclareceu ela.

Segundo Daysy, foram feitas reuniões com o Conselho da Saúde e elaborado protocolo de atendimento nas creches para o mapeamento das crianças. Além disso, a Secretaria de Saúde disponibilizará um médico para analisar as situações com segurança. “A maioria chega nas unidades apresentando alergia alimentar e nem sempre é. Às vezes é intolerância. A gente não pode tentar acertar, a gente tem que ser certeiro”, completou.

Para a vereadora Nancy Thame, que coordena as atividades da Semana, é preciso tratar a questão como doença e problema de saúde pública. "Espero que as atividades não sejam 'vaga-lumes', que acendem e apagam, mas uma estrada iluminada, que traga horizontes”, disse a parlamentar.

Ela apresentou detalhes do projeto de lei 85/2019, de sua autoria, para a criação de um programa de segurança alimentar e nutricional nas instituições educacionais públicas e privadas do sistema de ensino de Piracicaba. A propositura foi apresentada este mês e está em tramitação nas comissões da Casa, antes de ir à votação em plenário. “No fundo, é preciso garantir o acesso à alimentação segura para todos, pois se trata de uma garantia constitucional”, completou Nancy.

Já Alessandra Cozzo Siqueira informou que o Conselho Municipal de Alimentação Escolar, da qual é presidente, trabalha para a mudança de comportamento nas escolas e nas adequações dos cardápios. “Quando tomamos ciência do aumento do número de crianças com alergias, nos mobilizamos. A maior parte das famílias, muitas vezes as próprias mães, não conseguem entender o que é, ou não têm entendimento para saber que aquilo é uma reação de algo que foi ingerido pela criança. Temos acompanhando as mães em reuniões com diretores e orientado as merendeiras”, disse.

O dia a dia de um nutricionista no ambiente escolar deve considerar necessidades que vão além da alergia alimentar, como problemas de saúde de hipertensão, diabetes, anemias e doença celíaca, por exemplo. Segundo Zélia Maria Altares, fiscal do CRN3 (Conselho Regional de Nutricionistas da 3ª Região), a legislação assegura a alimentação diferenciada, desde que haja recomendações e laudos médicos, conforme previsto no Programa Nacional de Alimentação Escolas (PAE).

Há uma resolução do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) que estabelece os cardápios para diferentes faixas etárias e sua composição. "O nutricionista precisa se debruçar para oferecer os alimentos necessários de cada idade e saber de todas as necessidades especiais", disse Zélia.

PLANO DE AÇÃO – A médica Juliana Poli, alergologista pediátrica, acredita que os pais devem elaborar um plano de ação e acompanhar o seu cumprimento na rotina escolar. “As escolas devem manter adrenalina autoinjetável em caso de reação alérgica, treinar os funcionários para reconhecer as situações e ter cuidado com o risco de contaminação cruzada dos alimentos. E, principalmente, não tratar a criança como diferente”, recomendou.

Os alimentos com maiores índices de rejeição são leite de vaca, ovo (clara e gema), soja, trigo, amendoim e castanhas, peixes e frutos do mar, além do látex (reação cruzada com alimentos, como banana ou kiwi). De acordo com a médica, o impacto na vida dos alérgicos vai de depressão, bullying, menor auto estima, isolamento e dificuldade de ganho de peso.

Sintomas como tosse, falta de ar, dificuldade respiratória, dor abdominal intensa, vômito, sonolência ou alteração de humor podem estar associados à doença, conforme informou Juliana, que apresentou ainda as opções de tratamento e as substituições disponíveis no mercado. “As crianças não entendem muito bem o que é deixar de comer alimentos. Tem que educar pais e familiares, especialmente nas festas. É essencial fazer leitura de rótulos e ligar nos SACs das empresas, em casos de dúvidas. Os pais também devem levar comida nos eventos para a criança.”

As ações da Semana foram propostas por Nancy a partir de uma “provocação”, no ano passado, do coletivo Acolhimento Alimentar Piracicaba, que tem entre as integrantes Heloise de Souza Milano, presente na mesa-redonda desta terça-feira. “Somos a voz de quem fica acordado quando a criança tem reação, porque alguém deu só um pouquinho de um alimento e não sabia que iria fazer mal. Ou porque descobre que amanhã vai ter que fazer um doce, pois tem uma festa e seu filho quer participar. Ou que tem que ministrar uma injeção de adrenalina. O que reivindicamos são os espaços de diálogos”, declarou.

A mesa-redonda teve ainda a participação da defensora pública Carolina Romani Brancalion, que apresentou os caminhos para acionar a defensoria pública nas áreas de saúde, educação infância, família e criminal. Em Piracicaba, o atendimento é na rua Benjamim Constant, 823, Centro. Carolina comentou sobre o conceito previsto na PNAN (Política Nacional de Alimentação Nutricional). “Para as crianças em âmbito escolar, o respeito à restrição alimentar e fornecimento de alimentação adequada compõe o próprio direito à educação”, disse. “A solução está na inclusão", completou.

Confira as demais atividades da 2ª Semana de Conscientização da Alergia Alimentar

15 de maio - quarta-feira - 19h
Sesc Piracicaba (rua Ipiranga, 155, Centro)
Mesa-redonda A mensagem que a alergia alimentar está trazendo para nós
Com mediação e coordenação de Nancy Thame e Renata Pinotti (nutricionista da alergia alimentar), Jacqueline Spolidoro Alves (presidente do Conselho Municipal de Segurança Alimentar de Piracicaba), Caroline Melotto (professora de educação infantil da Maple Bear Piracicaba) e Jorge Torres (professor de ciências da Escola Estadual Dr. Prudente de Moraes)

16 de maio - quinta-feira - 9h às 11h30
Aula prática sobre alimentação inclusiva
Com Alessandra Cozzo de Siqueira (coordenadora do curso de nutrição) e membros do Coletivo Acolhimento Alimentar Piracicaba (atividade exclusiva para alunos da Etec Coronel Febeliano da Costa)

16 de maio - quinta-feira - 14h às 15h30
Palestra Reações alérgicas com choque anafilático e seus tratamentos
Com as enfermeiras Ana Elisa Ártico e Michelle Brasileiro (atividade exclusiva para alunos da Etec Coronel Febeliano da Costa).



Texto:  Rodrigo Alves - MTB 42.583
Supervisão de Texto e Fotografia: Valéria Rodrigues - MTB 23.343


Tópicos: SaúdeNancy Thame

Notícias relacionadas