PIRACICABA, QUARTA-FEIRA, 19 DE SETEMBRO DE 2018 Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

28 DE NOVEMBRO DE 2017

Bebel, da Apeoesp, protocola substitutivo ao Plano do Magistério


Ela se manifestou contra o projeto enviado pelo Executivo à Câmara



EM PIRACICABA (SP)  

Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 (1 de 2) Salvar imagem em alta resolução

Presidente Matheus Erler recebeu substitutivo de projeto

Presidente Matheus Erler recebeu substitutivo de projeto
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 (2 de 2) Salvar imagem em alta resolução

Entidade sindical forçou Executivo a propor o plano

Entidade sindical forçou Executivo a propor o plano
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 Salvar imagem em alta resolução

Presidente Matheus Erler recebeu substitutivo de projeto




Presidente da Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo), a professora Maria Izabel Azevedo Noronha, a Bebel, protocolou nesta segunda-feira, 27, substitutivo ao Plano de Carreira e Remuneração dos Profissionais do Magistério Público Municipal. Ela esteve na Câmara na 69ª reunião ordinária, quando ocupou a Tribuna Popular e, ao final, entregou o documento ao presidente Matheus Erler (PTB).

O texto original - presente no projeto de lei complementar 17/2017 - foi protocolado pelo Executivo na Câmara em 24 de outubro. Uma semana depois, no dia 31, a própria Bebel esteve na Casa para tratar do assunto, em reunião com Erler e membros da Apeoesp. Na reunião ordinária de 16 de novembro, a professora Vanessa Pupo, do Luto pela Educação, fez fortes críticas à proposta. No dia seguinte, a secretária Angela Jorge Corrêa foi recebida por Erler e sete vereadores. O presidente da Câmara assegurou que a votação da medida será em 2018, apenas quando todos os debates estiverem sido esgotados.

Segundo Bebel, a Apeoesp, mesmo como sindicato dos professores estaduais, não poderia se furtar do debate, pois impetrou ação civil pública para obrigar o Executivo a apresentar o projeto de lei. "Coisa pior, nunca vi. Já vi plano de carreiras ruins, mas do porte deste, nunca", declarou.

A dirigente sindical fez críticas ao projeto que o Executivo enviou à Câmara. Segundo ela, entre os pontos mais críticos está o fim da estabilidade aos educadores. "Substítutivo não é ponto de término de debate, é para início. Vamos parar de chegar com coisa pronta aqui e a gente ter que colar pedacinho. É preciso refazer toda uma diretriz"

Após receber a proposta, Erler disse que o assunto é de interesse de todos os vereadores. "Todos têm discutido o tema de forma muito aprofundada. Esse projeto não tem a mínima data de previsão de votação, pois a sua discussão será longa", disse.

Quem também se manifestou sobre o assunto foi o vereador Paulo Campos (PSD), que elogiou o didatismo de Bebel. "Esse Plano, sem a efetiva participação dos professores, não atende o princípio da razoabilidade."



Texto:  Rodrigo Alves - MTB 42.583
Supervisão de Texto e Fotografia: Valéria Rodrigues - MTB 23.343
Imagens de TV:  TV Câmara


Tópicos: Tribuna PopularMatheus ErlerPaulo Campos

Notícias relacionadas