PIRACICABA, SEXTA-FEIRA, 17 DE AGOSTO DE 2018 Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

26 DE ABRIL DE 2018

Paiva destaca efeitos da conjuntura política na vida do trabalhador


O vice-presidente do Conespi e presidente do Sindicato dos Bancários, José Antonio Fernandes Paiva ocupou a tribuna popular da Câmara, na reunião ordinária de ontem (26)



EM PIRACICABA (SP)  

Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 Salvar imagem em alta resolução

Paiva destaca efeitos da conjuntura política na vida do trabalhador




O vice-presidente do Conespi (Conselho das Entidades Sindicais de Piracicaba) e presidente do Sindicato dos Bancários de Piracicaba e Região, José Antonio Fernandes Paiva ocupou a tribuna popular da Câmara, na 23ª reunião ordinária de ontem (26) para avaliar a conjuntura política e seus impactos na vida e saúde dos trabalhadores.

Paiva fez uma rápida reflexão, por dez minutos, considerando as proximidades do dia Primeiro de Maio, Dia do Trabalhador, para discorrer sobre a conjuntura política, com foco aos constantes acidentes que afetam a vida do trabalhador brasileiro, tendo em vista também o Dia Mundial em Memória às Vítimas de Acidentes de Trabalho. Segundo o sindicalista, houve uma inversão da lógica da democracia, na alternância dos poderes, entre esquerda e direita, sendo que no Brasil as forças derrotadas se articularam para destituir uma presidenta que foi legitimamente eleita.

"A única operação contra ela foi uma operação contábil para salvar uma safra agrícola, o programa Minha Casa Minha Vida e o programa Bolsa Família, onde ela não tinha dinheiro em caixa, mas mesmo assim fez o repasse pois em certo momento receberia da Caixa Econômica Federal", disse Paiva ao falar do processo patrocinado por aqueles que perderam nos últimos anos a capacidade de articulação política.

Paiva também fez questão de dizer que abriria um parêntese para desmistificar a questão de direita e esquerda, sendo que a esquerda se caracterizou como aquela que não concordava com o regime de exploração de quem detinha os meios de produção e os meios políticos, caracterizando aqueles que buscavam por igualdade.

Segundo Paiva, o maior esquerdista do mundo foi a igreja, por defender a igualdade entre todos os seres humanos, sendo que Jesus Cristo foi o maior personagem de esquerda do mundo, que sempre buscou a igualdade e foi levado ao calvário, de forma injusta e sem paralelos entre qualquer outro político que possa existir, sendo que tem mais político para ser colocado como Judas do que Jesus.

Para Paiva, este processo foi financiado para quem precisaria retomar uma discussão de  12 ou 13 anos atrás, sendo que aí nós vimos a avenida Paulista com um grande pato amarelo, uma academia contratada para dançar na avenida com uma sincronia perfeita, atacando aqueles que estavam no poder, onde também vimos a direita sair às ruas.

Segundo Paiva, esta nova corrente golpista tomou o poder e, imediatamente tomou algumas ações, como a terceirização indiscriminada, em atividades meios e fins, nos meios de produção, o que acelerou o processo de acidentes de trabalho, por falta de valorização das normas, sendo que este processo se agravou com a terceirização.

Ainda não satisfeitos, estas forças políticas encaminharam ao Congresso um projeto de reforma trabalhista, de pouco mais de seis artigos, onde o relator, Robson Marinho possibilitou que estes artigos se traduzissem em 116 alterações que prejudicam o trabalhador, em situação análoga à escravidão, o que vai se agravando, até o governo editar a "PEC da maldade", que congela por 20 anos os investimentos públicos, a exemplo de segurança, saúde e educação, onde nada é concedido além do índice de inflação, sendo que na queda de arrecadação se agrava mais o quadro social, privilegiando o sistema privado, onde o caos se estabelece.

Paiva ainda falou da preparação para o dia 28 de abril, Dia Mundial em Memória do Acidente do Trabalho, que cai num sábado, sendo que o movimento sindical antecipou para esta sexta-feira (27), uma passeata, sem discurso, uma marcha fúnebre, que circulará pela região central da cidade para mostrar o momento extremo que estamos passando, a exemplo de uma suspeita por febre amarela em Piracicaba.

Paiva lembrou da ameaça da Dengue, sendo que providências foram tomadas, o que reduziu o quadro de mortes na cidade. Paiva também considerou que no ano passado tivemos 7.436 acidentes de trabalho em Piracicaba, com 13 mortes, o que representa dois acidentes por dia, um por hora, penalizando o poder público na geração de custos.

Paiva alertou sobre a importância de campanhas. E, fez um apelo ao secretário de Saúde, para que siga o exemplo do secretário de Trânsito e Transportes, em constantes campanhas sobre os riscos no trânsito, sendo que isto reflete no índice reduzido de acidente de trânsito na cidade.

A pergunta é porquê a saúde do trabalhador não tem a mesma atenção do poder público. "Nós temos que olhar o trabalhador com mais carinho. Não vamos fazer parte deste golpe. Vamos olhar para nosso umbigo e, seguir o que preceitua a Agenda 21, pensar globalmente e agir localmente, o que exige uma intervenção local com firmeza", disse o sindicalista, lamentando os familiares de trabalhadores que saem e voltam em um caixão de difunto, além dos muitos que ficam mutilados.

Paiva também lamentou a falta de sensibilidade de alguns empregadores que não têm esta percepção. Segundo Paiva, nestes dias, um empresário se vangloriou dentro do Simespi, de que ele não permitia mesmo que o Sindicato fizesse intervenção dentro da empresa dele, sendo que o Sindicato aceitou o desafio e às 5h30 da manhã se prostou em frente à empresa dele, e ninguem entrou, sendo que na assembleia, feita na rua, 88% dos trabalhadores ficaram com o Sindicato, o que representou 267 com o Sindicato e apenas 33 que acompanharam o patrão e dois votaram em branco, em votação secreta.

"Queremos despertar os empregadores, através de suas representações. Não quero falar do micro empresário, porque estes não têm como sobrevivência  a exploração da força de trabalho. A exploração da mais valia, sendo ela mais ativa ou absoluta, se dá no grande empresário e, sob a coordenação de grandes corporações", concluiu o sindicalista, que pediu ajuda de todos a refletir neste momento delicado.

Paiva anunciou para a próxima quinta-feira (3), quando o presidente do Conespi, Wagner da Silveira, Juca fará uso da Tribuna Popular da Câmara, acompanhado de mais um vice-presidente da entidade. Paiva também se anunciou como um dos vice-presidentes do Conespi, além de presidente do Sindicato dos Bancários de Piracicaba e Região.



Texto:  Martim Vieira - MTB 21.939
Supervisão de Texto e Fotografia: Valéria Rodrigues - MTB 23.343


Tópicos: Tribuna Popular

Notícias relacionadas