PIRACICABA, QUARTA-FEIRA, 24 DE ABRIL DE 2019
Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

12 DE FEVEREIRO DE 2019

Matheus Erler cobra informações sobre represa de Americana


Para obter informações precisas sobre possibilidades de rompimento, vereador protocolou requerimento pedindo informações a CPFL Renováveis



EM PIRACICABA (SP)  

Reprodução/Jornal da Band

Reprodução/Jornal da Band
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 (2 de 2) Salvar imagem em alta resolução

Matheus Erler cobra informações sobre represa de Americana

Matheus Erler cobra informações sobre represa de Americana
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 Salvar imagem em alta resolução

Matheus Erler cobra informações sobre represa de Americana



Preocupado com as informações transmitidas pela reportagem da TV Bandeirantes, transmitida na última quinta-feira (7), que diz que o rompimento de uma barragem de uma hidrelétrica da cidade de Americana pode “varrer” os municípios de Piracicaba e Limeira, o vereador Matheus Erler (PTB) encaminhou requerimento a CPFL Renováveis, empresa responsável pela represa, cobrando informações sobre possibilidades de riscos de rompimento do reservatório da hidrelétrica.

Já na 3ª reunião ordinária de ontem (11), o parlamentar assegurou em plenário, em caráter de urgência, a votação do requerimento 119/2019. 

A represa, inaugurada há quase 70 anos e construída dentro da área urbana do município de Americana, já consta na lista de barragens de alto risco da Agência Nacional de Águas (ANA) e apresenta alto potencial de danos, que inspira sérios cuidados.

Gerenciada pela CPFL Renováveis, a represa tem um paredão de concreto de 22 metros que sustenta a água e três comportas, que armazenam um total de 107 trilhões de litros de água.

O que mais chamou atenção e causou preocupação foi a informação de que se algum dia houver determinado problema com algum dique hidráulico e essa barragem vier abaixo, as cidades de Piracicaba e Limeira “serão varridas do mapa”. "Claro que sabemos que a expressão foi exagerada, mas em 2009, quando uma das comportas foi aberta sem que Piracicaba fosse avisada com antecedência, tivemos uma grande enchete e muitos prejuízos. Queremos saber as reais condições e se há preparo para lidar com um imprevisto", disse Matheus Erler.

Segundo dados da notícia, a água que chega ao reservatório é contaminada pelo esgoto de 18 cidades antes de chegar ao lago da represa. E a poluição das cidades funciona como fertilizante para o surgimento e proliferação de pragas conhecidas como aguapé e capim braquiara. Essas pragas tomaram conta de toda a superfície da água, tornando uma massa verde, que inclusive está sobe pelo concreto da barragem.

Além dos infinitos sinais de abandono, mostrados na reportagem, no concreto da barragem são evidentes as marcas de vazamentos, decorrentes de pequenas trincas, qualquer pessoa tem acesso ao portão que dá entrada ao dique da barragem e na Usina São José, lugar em que fica localizada a represa, não tem nenhum funcionário responsável caso aconteça alguma coisa e precise de um responsável para execução de um plano de emergência.

“Diante de tantas tragédias anunciadas e crimes ambientais como temos visto nos últimos dias, estou extremamente preocupado com a informação da reportagem”, disse o parlamentar.

“No requerimento cobro todos os tipos de informações sobre os riscos de rompimentos, quais os motivos do abandono e da ausência de responsáveis no local, se há disposição da empresa em agir para minimizar os riscos e se existe algum plano de emergência caso aconteça o rompimento ou entupimento das tubulações das comportas”, informou Erler.

Além disso, o parlamentar questiona se há, junto aos municípios que podem ser afetados, uma integração das Defesas Civis no sentido de executar um plano de retirada de pessoas, a fim de se evitar uma tragédia. O vereador ainda solicita que sejam anexados laudos que atestem a estabilidade da referida barragem e o plano de emergência, caso existam.



Texto:  Assessoria parlamentar
Supervisão de Texto e Fotografia: Valéria Rodrigues - MTB 23.343
Revisão:  Valéria Rodrigues - MTB 23.343


Tópicos: Meio AmbienteMatheus Erler

Notícias relacionadas