PIRACICABA, TERÇA-FEIRA, 19 DE FEVEREIRO DE 2019 Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

04 DE FEVEREIRO DE 2019

Kawai destaca conscientização sobre Aids e foca Dezembro Vermelho


Vereador recebeu o coordenador do Cedic, Moisés Taglieta e os integrantes do CapHIV, Paulo Soares e Eliel da Fonseca para discutir preparativos sobre a campanha



EM PIRACICABA (SP)  

Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (1 de 5) Salvar imagem em alta resolução

Kawai destaca conscientização sobre Aids e foca Dezembro Vermelho

Kawai destaca conscientização sobre Aids e foca Dezembro Vermelho
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (2 de 5) Salvar imagem em alta resolução

Kawai destaca conscientização sobre Aids e foca Dezembro Vermelho

Kawai destaca conscientização sobre Aids e foca Dezembro Vermelho
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (3 de 5) Salvar imagem em alta resolução

Moisés Taglieta

Moisés Taglieta
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (4 de 5) Salvar imagem em alta resolução

Paulo Soares

Paulo Soares
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 (5 de 5) Salvar imagem em alta resolução

Eliel da Fonseca

Eliel da Fonseca
Foto: Davi Negri - MTB 20.499 Salvar imagem em alta resolução

Kawai destaca conscientização sobre Aids e foca Dezembro Vermelho



O vice-presidente da Câmara de Vereadores de Piracicaba, Pedro Kawai (PSDB), na manhã desta segunda-feira (4) recebeu em seu gabinete a visita do coordenador do Cedic (Centro de Doenças Infectocontagiosas), Moisés Taglieta e os representantes do Caphiv (Centro de Apoio aos Portadores do Vírus HIV/Aids e Hepatites Virais) e mantenedor da CapVida (Casa de Apoio à Vida), Paulo Soares, presidente e Eliel da Fonseca, coordenador, para discutir tratativas, em planos e metas, no envolvimento da sociedade, especialmente de jovens escolares, do ensino médio, 6º ao 9º ano, sobre o ciclo de palestras, oficinas e outras atividades que marcam o pioneirismo de Piracicaba no despertar da conscientização sobre as doenças sexualmente transmissíveis, por ocasião do Dia Mundial de Luta Contra a Aids (1º de Dezembro), sendo que os eventos alusivos à este dia acontecem localmente, na primeira semana de dezembro. 
 
"Queremos discutir com a sociedade estas temáticas, envolvendo principalmente os jovens em idade escolar, bem como toda a sociedade, em parcerias com o poder público e a iniciativa privada, onde a Câmara possa garantir o pioneirismo de Piracicaba, principalmente após o ano de 2013 e com o respaldo na lei municipal 3.484/1992, de iniciativa do ex-vereador Vanderlei Dionísio, que estabelece medidas de proteção especial aos portadores da Aids", considerou o parlamentar sobre a relevância das discussões e da antecipação dos preparativos.
 
A expectativa é que para o final deste ano, pelo menos cinco escolas estaduais, que funcionam em período integral disponibilizem seus alunos para os ciclos de palestras, que devem ocorrer nas dependências da Câmara, além de oficinas, a serem realizadas nas escolas.
 
Também deverá haver a participação de entidades parceiras, como o Sesc (Serviço Social do Comércio), e instâncias do Poder Público, a exemplo da SemacTur (Secretaria Municipal de Cultura e Turismo), liderada por Rosângela Camolese, em mostra artística do Salão Internacional de Humor, bem como outras atividades lúdicas e pedagógicas que possam trabalhar com este universo de conscientização.
 
Moisés Taglieta, que também coordena o Cevisa (Centro de Vigilância em Saúde) destaca a importância da continuidade desta campanha perante a população. A consideração é que desde 1982 até o final de outubro do ano passado Piracicaba registrou 1988 casos de Aids, sendo que o perfil de infecção pelo HIV aponta para uma população jovem.
 
A pessoa com o diagnóstico da infecção deve se dirigir ao Cedic (Centro de Doenças Infecto Contagiosas), onde será matriculado e vinculado ao serviço. Uma vez vinculado, o paciente inicia o tratamento e acompanhamento pela unidade. Todos os medicamentos necessários para o tratamento são disponibilizados pelo SUS e fornecidos no Cedic.
 
O Cedic fica na rua do Trabalho, 634, Vila Independência. Informações pelo telefone 3437-7800.
 
Paulo Soares e Eliel da Fonseca também ressaltaram a importância de antecipação dos preparativos para a campanha em dezembro, quando é reservado o início do mês para diversas atividades na cidade, que procuram despertar sobre a prevenção para estas doenças sexualmente transmissíveis. "Piracicaba foi pioneira na criação da semana de prevenção, desde 2013, seguido por demais cidades brasileiras, sendo que hoje este evento é adotado nacionalmente", disseram.
 
HISTÓRICO
 
O dia 1º de Dezembro foi proposto pela Organização Mundial de Saúde para alertar a sociedade sobre a doença. No Brasil, a data é celebrada anualmente desde 1988, portanto, há três décadas, com início cinco anos após a descoberta do vírus causador, o HIV. Em Piracicaba, várias ações relacionadas ao tema estão sendo organizadas pela Secretaria de Saúde, como caminhada, palestra e testes rápidos.
 
Organizado pela Secretaria de Saúde, por meio do Cedic (Centro de Doenças Infectocontagiosas), o evento conta com apoio e participação da CPAN (Coordenadoria de Programas de Alimentação e Nutrição), do setor de Saúde Escolar da Secretaria de Educação, Casa das Oficinas, do  Caphiv (Centro de Apoio aos Portadores do Vírus HIV/Aids e Hepatites Virais), Casvi (Centro de Apoio e Solidariedade) e Câmara de Vereadores de Piracicaba.
 
BRASIL
 
O Brasil chega aos 30 anos de luta contra o HIV e aids com registro de queda no número de óbitos por aids no país. Segundo o Boletim Epidemiológico, do ano de 2011, em quatro anos a taxa de mortalidade pela doença passou de 5,7 por 100 mil habitantes, em 2014, para 4,8 óbitos, em 2017.
 
A garantia do tratamento para todos, lançada em 2013, e a melhoria do diagnóstico contribuíram para a queda, além da ampliação do acesso à testagem e redução do tempo entre o diagnóstico e o início do tratamento.
 
Os novos números da epidemia revelam que, de 1980 a junho de 2018, foram identificados 926.742 casos de aids no Brasil, um registro anual de 40 mil novos casos. Em 2012, a taxa de detecção de aids era de 21,7 casos por cada 100 mil habitantes e, em 2017, foram 18,3, queda de 15,7%. Na comparação com 2014, a redução é de 12%, saiu de 20,8 para 18,3 casos por 100 mil habitantes.


Texto:  Martim Vieira - MTB 21.939
Supervisão de Texto e Fotografia: Valéria Rodrigues - MTB 23.343


Tópicos: CidadaniaPedro Kawai

Notícias relacionadas