PIRACICABA, DOMINGO, 8 DE DEZEMBRO DE 2019
Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

18 DE NOVEMBRO DE 2019

Cras do Monte Líbano receberá nome de monsenhor Luiz Gonzaga Juliani


Projeto de lei, de autoria de Paraná, foi aprovado na reunião ordinária desta segunda-feira.



EM PIRACICABA (SP)  

Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 Salvar imagem em alta resolução

Projeto de lei de Paraná foi aprovado na 68ª reunião ordinária



O Cras (Centro de Referência de Assistência Social) localizado na rua Felinto de Brito, no bairro Monte Líbano, será denominado de "Monsenhor Luiz Gonzaga Juliani", conforme o projeto de lei 268/2019, de autoria do vereador Aldisa Vieira Marques, o Paraná (CID), e aprovado nesta segunda-feira (18), na 68ª reunião ordinária.

Filho de Thomaz Juliani e Maria Maschietto Juliani, Luiz nasceu em Capivari (SP), em 2 de julho de 1927. Fez batismo, crisma e primeira eucaristia na Paróquia São João Batista, em Capivari. Cursou o antigo ginásio e o colegial no Seminário Diocesano de Campinas (SP). No Seminário Central Imaculada Conceição, no bairro Ipiranga, em São Paulo (SP), concluiu os cursos de filosofia e teologia.

Em dezembro de 1952, Luiz foi ordenado presbítero na Catedral de Santo Antônio, em Piracicaba, pelo primeiro bispo da diocese, dom Ernesto de Paula. Como sacerdote, foi construtor, professor, orientador espiritual e líder ativo nas lutas em prol de causas sociais.

Luiz iniciou seu ministério sacerdotal na Paróquia Santa Bárbara e, em 1954, começou a trabalhar na formação de novos padres no Seminário Central Imaculada Conceição. Em 1º de janeiro de 1964, assumiu a função de primeiro pároco da Paróquia São José, em Piracicaba, onde atuou durante 42 anos e da qual, posteriormente, se tornou pároco emérito e vigário-paroquial.

O homenageado também construiu o Cesac (Centro Social de Assistência Social), a creche Maria Maschietto Juliani e capelas que posteriormente tornaram-se paróquias, como a Menino Jesus de Praga, a São Francisco Xavier e a Imaculado Coração de Maria.

O monsenhor coordenou trabalhos de pastorais para Campanhas da Fraternidade, atuou nos ofícios de "Defensor do Vínculo" e de chanceler do bispado na Câmara Eclesiástica da Diocese de Piracicaba e foi membro do Conselho Diocesano de Presbíteros e do Colégio de Consultores.

Em 1968, o monsenhor recebeu o título de "Cidadão Piracicabano", da Câmara, e, em 1969, a Medalha do Centenário de Piracicaba. Em 1988, foi agraciado pelo papa João Paulo ll com o título honorífico de "monsenhor capelão de sua santidade". Morreu em 18 de novembro de 2018, aos 91 anos.



Texto:  Larissa Souza
Supervisão de Texto e Fotografia: Valéria Rodrigues - MTB 23.343
Revisão:  Ricardo Vasques - MTB 49.918


Tópicos: LegislativoAldisa Marques

Notícias relacionadas