PIRACICABA, QUINTA-FEIRA, 20 DE SETEMBRO DE 2018 Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

13 DE ABRIL DE 2018

Câmara Convida: Piracicaba tem 99,95% de coleta de esgoto


Dos 99,95% coletados, 100% são tratados e devolvidos ao Rio Piracicaba. Representantes da Águas do Mirante participaram do "Câmara Convida" desta sexta-feira (13)



EM PIRACICABA (SP)  

Foto: Sidney Jr (1 de 3) Salvar imagem em alta resolução

Câmara Convida contou com representantes da empresa Águas do Mirante

Câmara Convida contou com representantes da empresa Águas do Mirante
Foto: Sidney Jr (2 de 3) Salvar imagem em alta resolução

Engenheiro químico Valdir Alcarde Júnior durante sua participação no programa "Câmara Convida" desta sexta-feira (13)

Engenheiro químico Valdir Alcarde Júnior durante sua participação no programa "Câmara Convida" desta sexta-feira (13)
Foto: Sidney Jr (3 de 3) Salvar imagem em alta resolução

Coleta e tratamento de esgoto foram os temas do "Câmara Convida", exibido pela TV Câmara

Coleta e tratamento de esgoto foram os temas do "Câmara Convida", exibido pela TV Câmara
Foto: Sidney Jr Salvar imagem em alta resolução

Coleta e tratamento de esgoto foram os temas do "Câmara Convida", exibido pela TV Câmara



A coleta e o tratamento de esgoto de Piracicaba (SP) foram destaque no programa “Câmara Convida”, exibido pela TV Câmara na tarde desta sexta-feira (13). O engenheiro químico Valdir Alcarde Júnior e a psicopedagoga Maria Aparecida Draheim explicaram, respectivamente, o procedimento de coleta e tratamento de esgoto e os programas ambientais desenvolvidos pela Águas do Mirante, concessionária dos serviços de saneamento no município, que entrou em operação em 2012 por meio de uma PPP (Parceria Público Privada) entre a Prefeitura e a empresa.

A cidade, conta Júnior, tem 27 ETEs (estações de tratamento de esgoto), sendo que dessas, três – Piracicamirim, Ponte do Caixão e Bela Vista – são responsáveis por 95% do tratamento dos dejetos. Construída em 1997 pelo Semae (Serviço Municipal de Água e Esgoto), a ETE Piracicamirim foi a precursora em Piracicaba e era a que apresentava um odor muito forte, sentido pelos moradores dos bairros Vila Independência, Jardim Brasília e Santa Cecília. “Quem adentrava a cidade percebia o odor, sendo que nós fizemos uma modernização melhorando a eficiência e ampliando o tratamento”, pontuou Júnior. “O tratamento que tinha na ETE Piracicamirim era conhecido como anaeróbio, que liberava o gás sulfídrico, que é o cheiro de enxofre, de ovo podre, além do gás metano”. O processo atual elimina gás carbônico, “que não tem problema nenhum com o odor”.

Coordenador de engenharia e operações da Águas do Mirante, Valdir Alcarde Júnior detalhou que as 27 unidades de tratamento de esgoto são monitoradas 24 horas por dia pela CCO (Centro de Controle Operacional) da empresa. “Porém as reclamações mais frequentes que recebemos dizem respeito à obstrução de redes. Devido ao mau uso da rede coletora, as pessoas ainda jogam sujeira, pedaços de pano, de sofás velhos, óleo de cozinha, sendo que a consequência disso é o extravasamento”.

Do que é coletado em Piracicaba, 100% é tratado e devolvido ao Meio Ambiente. Ele frisou que 99,95% do esgoto é coletado, sendo que 0,05% estão fora da rede, “mas não se conectam, muitas vezes, por desinteresse ou por falta de conhecimento de que existe uma rede coletora”.

PROGRAMAS AMBIENTAIS – Maria Aparecida Draheim, coordenadora de Responsabilidade Social da Águas do Mirante, disse ser frequente a participação de escolas públicas e particulares nas estações de tratamento de esgoto da empresa. As visitas são agendadas e monitoradas e os alunos têm a oportunidade der ver, na prática, a entrada da água contaminada e devolvida limpa ao Rio Piracicaba. “Nós temos dois programas ambientais considerados carros-chefe: ‘Afluentes’, onde recebemos adultos e crianças nas ETEs e o ‘Saúde nota 10’, desenvolvido especificamente ao público estudantil. Nós vamos às unidades ensino e temos a oportunidade de fazer um concurso de desenho e redação”. De acordo com a profissional, a premiação dos melhores trabalhos é feita nas escolas.

O maior desafio da empresa, segundo Valdir Júnior e Maria Aparecida Draheim, é a conscientização ambiental. “Com a rede obstruída o esgoto acaba voltando para a própria pessoa ”, finalizou Júnior.



Texto:  Marcelo Bandeira - MTB 33.121
Supervisão de Texto e Fotografia: Valéria Rodrigues - MTB 23.343


Tópicos: Meio Ambiente

Notícias relacionadas