PIRACICABA, DOMINGO, 31 DE MAIO DE 2020
Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

27 DE MARÇO DE 2020

Requerimento questiona divulgação de casos de coronavírus na cidade


Propositura, de autoria do vereador Laércio Trevisan Jr. (PL) foi aprovada com urgência na reunião ordinária desta quinta-feira.



EM PIRACICABA (SP)  

Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 Salvar imagem em alta resolução





O vereador Laércio Trevisan Jr. (PL) solicita informações do Executivo sobre os procedimentos adotados pela Prefeitura de Piracicaba para divulgação dos novos casos de coronavírus (Covid-19) na cidade. O requerimento 246/2020 foi aprovado em regime de urgência nesta quinta-feira (26), na 15ª reunião ordinária.

Diariamente, a prefeitura, por meio do site oficial e das redes sociais, divulga um balanço com o número de casos suspeitos e descartados do coronavírus em Piracicaba. “Nota-se, através dos gráficos apresentados, um aumento do número de casos suspeitos, porém, o número de casos descartados apresenta pouca alteração”, observou Trevisan.

Por meio da propositura, o parlamentar pergunta quem é o responsável pela elaboração dos gráficos veiculados pela prefeitura e por qual órgão eles são encaminhados, qual é a secretaria responsável pelo acompanhamento dos casos de coronavírus e como é realizado o teste para detectar o coronavírus na rede pública e na rede privada da cidade.

Ele quer saber se os exames são realizados na hora, qual é o tempo de espera para o paciente receber o resultado e se são encaminhados para São Paulo. Com base nos gráficos divulgados, ele questiona a razão do número de casos descartados não apresentar a mesma alteração comparada ao número de casos suspeitos.

O parlamentar pergunta ainda, se a Secretaria Municipal de Saúde acompanha os casos suspeitos diariamente, como é realizada a notificação quando um paciente que apresenta os sintomas do coronavírus procura atendimento médico em alguma unidade de saúde pública ou privado e se os casos suspeitos estão internados ou em isolamento domiciliar.

Preocupado com o tempo de espera para obter o diagnóstico da doença, Trevisan quer saber se a prefeitura já adquiriu os testes para detectar o coronavírus e quantos estão disponíveis para a população. Além disso, ele pergunta o número de casos confirmados e o estado de saúde de cada paciente.

Na tribuna, durante a reunião ordinária, o parlamentar classificou a situação atual do país como difícil e atípica”. “Se uma pessoa está com o vírus e entra no índice de suspeitos, ela é encaminhada para casa sem recomendação nenhuma? Esses aparelhos que detectam já deveriam estar na cidade. Não decretou calamidade pública? Por que não faz a compra desses aparelhos detectores, de teste rápido?”, questionou.

O vereador Ary de Camargo Pedroso (SD) explicou que os testes rápidos vêm da China e que o município ainda não tem. “O que a Fiocruz produz é o teste do PCR, que demora de 4 a 7 dias para obter resultado com 100% de certeza. O teste rápido é de uma tecnologia que tem na China e na Coreia do Sul, cujo custo inicial não dava para comprar. Então, conseguiu-se uma negociação: 25 testes por 12,50 dólares. Até segunda-feira eles já devem estar aqui na cidade”, informou.

Ainda no requerimento, Trevisan pergunta se a Semtre (Secretaria Municipal de Trabalho e Renda) analisou a possibilidade de ampliar a disponibilidade de recursos ao Banco do Povo Paulista (BPP) a juros de 0% possibilitando operações de financiamentos aos empreendedores formais ou informais, cooperativas e associações de produção formalmente constituídas.

Ele também pergunta se o Semae (Serviço Municipal de Água e Esgoto) analisou a possibilidade de suspender a cobrança de água e esgoto dos consumidores cadastrados como tarifa social, assim como, de suspender os serviços de corte de água por inadimplência.



Texto:  Raquel Soares
Supervisão de Texto e Fotografia: Valéria Rodrigues - MTB 23.343
Revisão:  Rodrigo Alves - MTB 42.583


Legislativo Laércio Trevisan Jr

Notícias relacionadas