PIRACICABA, SEGUNDA-FEIRA, 6 DE JULHO DE 2020
Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

27 DE MARÇO DE 2020

Covid-19: Moschini pede que prefeito socorra hospitais frente a gastos


Vereador criticou Bolsonaro: "Deveria alinhar com os governadores condutas de orientação à população e não fazer comentários infelizes e sem nenhuma propriedade".



EM PIRACICABA (SP)  

Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 Salvar imagem em alta resolução

Moschini ocupou a tribuna durante a reunião ordinária desta quinta-feira






Médico obstetra, ginecologista e socorrista do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), o vereador Ronaldo Moschini (CID) reproduziu o panorama projetado pela Santa Casa e pelo Hospital dos Fornecedores de Cana para o enfrentamento da pandemia do novo coronavírus na cidade e fez um apelo para que o governo Barjas Negri (PSDB) lhes dê respaldo diante das altas despesas que acumularão no período.

"Peço ao prefeito que socorra os hospitais frente aos gastos que estão tendo para o preparo à espera dos infectados graves com o coronavírus", disse Moschini, na tribuna, durante a 15a. reunião ordinária, nesta quinta-feira (26). As despesas, exemplificou o parlamentar, incluem a aquisição de aparelhos respiradores e mudanças físicas nos hospitais, que estão destacando alas inteiras para receber os pacientes.

"A Santa Casa reservou um andar do Santa Isabel, o HFC criou 15 mudanças no sistema para, na pandemia, não deixar pacientes graves sem vagas, para que eles, em leitos de isolamento, possam ter acompanhamento hospitalar e tratamento adequado", comentou, citando a previsão do HFC de gastos mensais na casa de R$ 2 milhões durante a crise. "Estamos esperando um número de infectados graves muito maior em meados de abril para início de maio", alertou.

Moschini criticou o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), em rede nacional na última terça-feira (24), quando chamou a Covid-19 de "gripezinha" e "resfriadinho" e questionou a suspensão das aulas nas escolas durante a pandemia e o fechamento do comércio na quarentena.

"Bolsonaro fez um comentário bastante inapropriado, inadequado, dizendo que as crianças devem retornar às aulas e o comércio tem de ser aberto. Nem mesmo se alinhou com seu ministro da Saúde, a quem admiro muito e que tem feito um mandato maravilhoso, nem com o vice-presidente", disse o vereador e médico.

"Enquanto o país luta por isolamento social, em que estamos tentando manter as pessoas em isolamento e fazer com que o empresariado entenda o porquê disso, [Bolsonaro] deveria procurar abrir linhas de crédito aos que estão em dificuldade e alinhar com os governadores condutas de orientação à população, e não fazer comentários desagradáveis, infelizes e sem nenhuma propriedade", concluiu Moschini.



Texto:  Rodrigo Alves - MTB 42.583
Supervisão de Texto e Fotografia: Valéria Rodrigues - MTB 23.343
Imagens de TV:  TV Câmara


Legislativo Ronaldo Moschini

Notícias relacionadas