PIRACICABA, TERÇA-FEIRA, 4 DE AGOSTO DE 2020
Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

12 DE DEZEMBRO DE 2019

Câmara homenageia bailarina piracicabana em carreira internacional


Monike Cristina de Souza, conforme iniciativa de Pedro Kawai ganha o reconhecimento popular por intermédio de moção de aplausos aprovada pelos 23 vereadores



EM PIRACICABA (SP)  

Foto: Arquivo Histórico da Câmara (1 de 2) Salvar imagem em alta resolução

Câmara homenageia bailarina piracicaba em carreira internacional

Câmara homenageia bailarina piracicaba em carreira internacional
Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 (2 de 2) Salvar imagem em alta resolução

Pedro Kawai

Pedro Kawai
Foto: Arquivo Histórico da Câmara Salvar imagem em alta resolução

Câmara homenageia bailarina piracicaba em carreira internacional



A Câmara de Vereadores de Piracicaba, na moção de aplausos 240/2019, de autoria de Pedro Kawai (PSDB), aprovada na 75ª reunião ordinária desta quinta-feira (12) parabeniza a bailarina piracicabana, Monike Cristina de Souza, pela celebração à dança, com destaque de carreira internacional e que hoje é a Solista Sênior na Joburg Ballet Companhy, em Johanesburgo, África do Sul.

No teor da moção, o vereador Kawai considera a trajetória profissional de Monike Cristina, despertada para o universo apaixonante do balé clássico, desde a infância, aos seis anos e, que nas suas 27 primaveras, já ganhou o mundo, com apresentações em seis continentes (América do Norte, América do Sul, Europa, Ásia e África) e, atualmente é Solista Sênior, na Joburg Ballet Companhy, companhia de dança que reflete o sonho do eterno líder mundial, Nelson Mandela, na valorização do bailarino negro, em contraponto aos resquícios do Apartheid --- regime segregacionista entre negros e brancos, que vigorou oficialmente por décadas na África do Sul.

Foi na infância, com a determinação de sua mãe, Cristiane Berenice de Macedo Silva Ferreira, que Monike Cristina deu os primeiros passos na profissão de bailarina clássica, quando viu uma apresentação de sapateado e, decidiu o que queria ser na vida quando crescesse.

O início oficial da carreira internacional aconteceu após uma audição em Joinville (SC), onde na época, o diretor russo, Ruslan Nurtdinov procurava por uma bailarina negra para uma versão do balé “O Lago dos Cisnes”, onde Monike foi a escolhida e passou a integrar a Companhia Jovem da Escola Bolshoi no Brasil.

A trajetória da bailarina Monike no Bolshoi compreendeu o período de agosto de 2013 a fevereiro de 2014 e, foi protagonista de uma montagem do espetáculo Cisne Negro na Rússia, em novembro de 2013. Monike foi comparada aos demais bailarinos formados pela Companhia por sua habilidade.

Dos 15 aos 17 anos já participava de espetáculos em São Paulo, bem como em outras partes do mundo, quando passou por várias audições, incluindo o Alvin Ailey, nos Estados Unidos.

Ainda hoje, Monike Cristina afirma que a Cedan, Companhia mantida pela Secretaria Municipal de Ação Cultural foi fundamental para sua vida profissional, pois foi onde amadureceu, sob a direção da mestra Camila Pupa.

Monike participou do Cuballet 2012 -- maior curso de Verão de dança clássica da América Latina --, em apresentação no Memorial da América Latina, em São Paulo, na montagem de “O Lago dos Cisnes” -- balé romântico do compositor russo Tchaikovsky --, sob a direção da bailarina cubana Laura Alonso, filha da mitológica bailarina e coreógrafa Alícia Alonso (falecida por questões pulmonares, em 17 de outubro de 2019).

Também foi bolsista, com destaque em curso no Encontro Nacional de Dança (Enda), em concurso promovido pela presidente do Sindicato dos Profissionais da Dança no Estado de São Paulo, Maria Pia Finocchio, onde ficou em primeiro lugar e, na apresentação final fez os papéis de cine negro e cisne branco.

Ela também dançou em uma companhia no Estado do Rio de Janeiro, em Campos dos Goytacazes, onde prestou concurso e foi aprovada para integrar o Corpo de Baile do Teatro Trianon.

Durante a turnê internacional "Virtuosos of World Ballet", pela Companhia Jovem do Bolschoi, se apresentou em cidades da Suíça e da Rússia. Monike Cristina teve a responsabilidade de representar o nosso país, por meio da dança clássica.

Já no Joburg Ballet, além de “O Lago dos Cisnes”, Monike protagonizou uma remontagem de “A Branca de Neve” e, interpretou o papel principal da peça Carmen.

Aos 14 anos ingressou no Malosá Estúdio de Dança, em São Paulo. De 2008 até 2012 esteve sob direção da mestra Camilla Pupa, na escola “Ilusão e Vida”, em São Paulo.

A jovem bailarina acumula experiência internacional. Na Alemanha, participou do festival de Berlim 2008, Tanzolymp, com variação Kitri primeiro ato.

Nos Estados Unidos, participou em New York City, do festival americano da juventude, Grand Prix.

Para a Cia. Jovem do Bolshoi no Brasil foi realizado pela primeira vez uma gala para a cidade de Schaffhnausen na Suíça, cm destaque em sua participação.

Monike tambémfoi selecionada para compor a São Paulo Companhia de Dança, em coreografia do balé clássico La Sylphide, de Mário Galizzi, a partir do original de 1836, de August Bournonville (1805-1879).

La Sylphide foi apresentada em 1832, na Ópera de Paris. É um balé de dois atos, com coreografia de Fillipo Taglioni, pai de Marie Taglioni, e criador das sapatilhas de ponta.

Este balé, com música de Jean-Madeleine Schneitzhoeffer, se passa em algum lugar da Escócia.

Um escocês se apaixona por uma sílfide, mas depois cai nas mãos de uma feiticeira, que o entrega um mágico e pede que ele o amarre na cintura da sílfide, porém ela morre.

Marie Taglioni foi a primeira bailarina a dançar este balé, pois seu pai coreografou-o especialmente para ela.

Ao vê-la dançar, o grande poeta francês Théophile Gauthier, disse que ela era "tão sublime e tão grande como Lamartine e Byron", os dois grandes poetas do Romantismo.

Atulemtne, Monike Cristina está na África do Sul, desde o início de 2016, finalizando mais uma temporada, em 2019, como Giselle, tendo passado pelos principais repertórios do ballet clássico, como protagonista.

Na Companhia Joburg Ballet realizou os primeiros papéis, em: A Bela Adormecida, Carmen, Quebra Nozes, Branca de Neve, Cinderela, Raymonda e Giselle.

Em sua jornada artística frequentou diversas academias: Israel Plínio e Sandra Libard (Criação Ballet), Ado Raveli (Portal Sports), Carina Castro (Carina Castro Balett), Suzete Gimenez (Coronel Barbosa), Ivana Vendemiatti (Clube de Campo), Marcos Túbero e Sônia Braga (Companhia de Dança 7&8), André Malosa (Malosa Stúdio de Dança), Camila Pupa (Cedan), Clélia Serrano (Cesda RJ) e Bolshoi (SC) e São Paulo Cia. de Dança.

ESPECIAL - na apresentação da Gala de Natal 2019, em Piracicaba, sob coordenação da Cedam (Companhia Estável de Dança) -- que reforça a consolidação das dependências do Teatro Municipal “Dr. Losso Neto”, no acolhimento dos grandes espetáculos -- Monike Cristina também enaltece a trajetória profissional dos bailarinos: Ana Silva e Alan Marques, da São Paulo Companhia de Dança e de Ivan Domiciano, piracicabano, que também integra a Companhia Joburg Ballet, na condição de solista.

Cópias da moção também serão encaminhadas à Secretária Municipal da Ação Cultural de Piracicaba e Turismo (SemacTur), Rosângela Maria Rizzolo Camolese, à diretora artística da Companhia Estável de Dança de Piracicaba – CEDAN, Camilla Pupa e à presidente do Sindicato dos Profissionais da Dança no Estado de São Paulo, Maria Pia Finocchio.



Texto:  Martim Vieira - MTB 21.939
Supervisão de Texto e Fotografia: Valéria Rodrigues - MTB 23.343


Legislativo Pedro Kawai

Notícias relacionadas