PIRACICABA, SÁBADO, 18 DE AGOSTO DE 2018 Aumentar tamanho da letra
Página inicial  /  Webmail

15 DE DEZEMBRO DE 2017

Militar que participou de missão no Haiti receberá moção de aplausos


A propositura foi aprovada nesta quinta-feira, durante a 74ª reunião ordinária



EM PIRACICABA (SP)  

Foto: Fabrice Desmonts - MTB 22.946 Salvar imagem em alta resolução

Rerlison de Rezende é autor de moção aprovada na 74ª reunião ordinária


O cabo João Marcos Estevo, integrante do 11º Contingente das Nações Unidas para Estabilização do Haiti, do Batalhão de Infantaria de Força e Paz, receberá a moção de aplausos 178/2017, por iniciativa do vereador Rerlison Teixeira de Rezende (PSDB), pelos serviços realizados durante a missão de paz do Exército Brasileiro. A propositura foi aprovada nesta quinta-feira (14), durante a 74ª reunião ordinária.

João nasceu em 7 de dezembro de 1986, em Buritama (SP). Veio para Piracicaba em 2002, com o intuito de ingressar na carreira militar. Em 2005, alistou-se no 28ª Batalhão de Infantaria Leve, em Campinas, onde se formou soldado do exército.

Por possuir conhecimento técnico em equipamentos de comunicação, integrou o Pelotão de Comunicações, como rádio operador, destacando-se na coordenação e controle de mensagens recebidas e enviadas durante os exercícios.

Foi designado à coordenação do Pelotão de Operações Especiais e ao Pelotão de Reconhecimento, ambos na linha de frente, designados a visualizar o território para a chegada das tropas. Esteve também no comando da Companhia de Sub Unidade de Operações Especiais, formada por cinco pelotões com 36 soldados, juntamente com os pelotões de apoio.

Em 2009, o Exército Brasileiro o convidou para participar de sua primeira missão. Em razão dos conflitos ocasionados pela guerra civil do Haiti, João compôs o 11º Contingente junto com o 10º Batalhão Brasileiro, com a missão de restabelecimento da segurança e da estabilidade, promoção do processo político, fortalecimento das instituições governamentais e proteção dos direitos humanos no local.

Permaneceu no país até 2010, contribuindo no socorro às vítimas do terremoto de magnitude 7, ocorrido em 12 de janeiro daquele ano, e que deixou 250 mil pessoas feridas, mais de um milhão de desabrigados e cerca de 200 mil mortos.

O cabo conta que “aprendeu demais com a população sofrida daquele país, que enfrenta tudo e ainda não perde a vontade de cantar”, comenta também que passou a ter mais sensibilidade e a valorizar as coisas simples da vida. Acredita que, de certa forma, cumpriu sua missão ao contribuir para a melhoria da qualidade de vida daquela população.



Texto:  Lucas Lima
Supervisão:  Rodrigo Alves - MTB 42.583


Tópicos: LegislativoRerlison Rezende

Notícias relacionadas